O Processo de Fortificação



   
 

O vinho do Porto é um vinho fortificado. A fortificação envolve a adição de uma pequena quantidade de aguardente vínica - um espírito incolor, neutro, destilado de vinho – num momento específico do processo de vinificação. No caso do vinho do Porto, o processo de fortificação funciona da forma que a seguir se descreve.
 
Quando as uvas acabarem de ser colhidas, são transportadas para a adega onde são esmagadas para permitir que a fermentação comece. A fermentação é um processo comum em todos os vinhos, no qual o açúcar no sumo de uva é convertido em álcool por microrganismos conhecidos como leveduras.
 
Estando a fermentação em curso, cuidadosamente mantêm-se as peles de uvas em constante contacto com o sumo de fermentação, de modo a que a sua cor, tanino e sabor sejam libertados no vinho.
 
Tradicionalmente, isto consegue-se pisando a pé o vinho em grandes lagares de granito, um processo usado hoje em dia somente pelos melhores produtores de vinho do Porto Vintage, como é o caso da Croft. Na maioria das propriedades vinícolas, a pisa a pé foi agora substituída por métodos mecânicos.
 
Quando cerca de metade do açúcar natural do sumo de uva foi já transformado em álcool, a pisa pára e as peles flutuam até à superfície do lagar.
 
O vinho em fermentação é então vertido para uma cuba. À medida que o vinho em fermentação escorre para a cuba, adiciona-se a aguardente vínica. Este processo aumenta a força do vinho e pára a fermentação. Como resultado, a maior parte do açúcar natural da uva é preservada no vinho do Porto final.

A seguir: Envelhecimento >>